Search
Close this search box.

Seleção masculina de basquete perde de Camarões, mas avança no Pré-Olímpico no sufoco

No sufoco, a seleção brasileira masculina de basquete se manteve viva no Pré-Olímpico. Nesta quinta-feira, o Brasil foi derrotado pela modesta equipe de Camarões por 77 a 74, mas conseguiu avançar às semifinais pelos critérios de desempate. A classificação, contudo, esteve em risco durante boa parte do jogo, em que o time nacional poderia perder por, no máximo, 14 pontos de diferença. A vantagem do rival camaronês chegou a alcançar 24 pontos.

Apesar do sofrimento, o Brasil acabou avançando como primeiro colocado do Grupo B, com uma vitória e uma derrota, assim como Camarões e Montenegro. No entanto, o time nacional levou vantagem no saldo de pontos e se garantiu na semifinal, assim como Camarões, que ficou em segundo na chave.

Na sequência, a seleção vai enfrentar Filipinas no sábado, enquanto o time camaronês terá pela frente a forte Letônia, principal candidata a ficar com a vaga olímpica. Somente o vencedor da disputa, realizada diante da torcida letã, em Riga, se garantirá nos Jogos de Paris-2024.

Nesta quinta, o destaque brasileiro foi Leo Meindl, cestinha do time com 19 pontos. O reserva Lucas Dias anotou 16 e Bruno Caboclo contribuiu com 10 nos 24 minutos em que esteve em quadra Pelo time de Camarões, Jeremiah Hill marcou 22 pontos e Brice Eyaga Bidias registrou 15.

A seleção entrou em quadra sabendo que poderia se classificar à semifinal mesmo em caso de derrota. Mas, neste caso, não poderia ser superada por uma diferença maior que 14 pontos. Com este contexto, o time nacional fez um inesperado duelo equilibrado com o time camaronês no primeiro quarto.

A expectativa inicial era de favoritismo total do Brasil, apesar do desfalque de Raulzinho, que se machucou na estreia. No entanto, Camarões foi para cima e protagonizou confronto parelho na primeira parte do jogo, com alternâncias à frente no placar e boas jogadas. A equipe africana terminou o quarto inicial com ligeira vantagem: 29 a 27.

O segundo quarto, contudo, foi o mais surpreendente da partida. Foi quando Jeremiah Hill deslanchou no confronto e comandou uma atuação dominante de Camarões com direito a enterradas, diante da apatia brasileira. A seleção africana chegou a abrir 24 pontos de vantagem, enquanto o Brasil acumulava diversos erros de ataque, permitindo seguidos contra-ataques que não eram desperdiçados pelo rival.

Após ir para o intervalo perdendo por 17 pontos de desvantagem (56 a 39), o Brasil voltou mais concentrado para o terceiro quarto. Com menos erros e mais atenção, a seleção reduziu a distância no placar para 11 pontos. Ao mesmo tempo, o time camarões começava a cometer erros bobos em série, nem sempre aproveitados pelo Brasil.

O último quarto manteve o mesmo cenário. O Brasil continuava com sua reação, apesar da insistência nas cestas de três pontos, e reduzia aos poucos a vantagem camaronesa, que chegou a ser de dois pontos. Bruno Caboclo, estrela da estreia brasileira, ajudou a elevar o nível da equipe, que tentava ganhar terreno nos minutos finais do confronto.

As duas seleções empataram em 74 a 74, na base do desespero de Camarões. Com a vaga encaminhada, o Brasil reduziu o ritmo e viu o rival africano selar a vitória com uma cesta de três pontos.

Estadão Conteúdo

Tribuna do Norte

Construções Recreio