Janela fecha nesta quinta com maior investimento do Flamengo em “empate técnico” com 2020

A primeira janela de transferências do futebol brasileiro de 2024 termina nesta quinta-feira. E em valores absolutos, ela se fecha com o maior investimento da história do Flamengo junto com a janela de verão de 2020. Com só três contratações, o Rubro-Negro investiu R$ 158,1 milhões.

Foram R$ 77,7 milhões depositados à vista na conta do River Plate por De la Cruz; R$ 42,8 milhões parcelados com a Roma por Matias Viña e R$ 37,6 milhões com o Bragantino por Léo Ortiz. Nas contratações do lateral-esquerdo e do zagueiro ainda há dois bônus de 1 milhão de euros (R$ 5,3 milhões cada) por títulos que podem engordar as cifras para R$ 168,7 milhões.

A última vez que o Flamengo investiu tão pesado assim numa janela foi no início de 2020. Na época, o Rubro-Negro contratou o dobro de jogadores, seis, e gastou R$ 159,7 milhões. Foram R$ 90,8 milhões pagos para a Inter de Milão para comprar Gabigol; R$ 33,9 milhões para tirar Michael do Goiás; R$ 30,4 milhões para contratar Léo Pereira do Athletico-PR; e R$ 4,6 milhões pelo empréstimo de Pedro junto à Fiorentina. Enquanto Gustavo Henrique e Pedro Rocha chegaram sem custos de transferência.

Leia mais

Chevrolet prepara renovação total no Brasil: saiba o que vem por aí

O caminho das quatro montadoras mais tradicionais no Brasil seguia um traçado linear. Mas as novas tecnologias de eletrificação e a chegada com força das marcas chinesas modificaram o cenário. A Ford decidiu fechar as fábricas e virar apenas importadora. A Stellantis anunciou um plano de renovação com sistemas elétricos flex. E agora a General Motors também resolveu se renovar.

O marco oficial foi sinalizado no final de janeiro, quando a marca anunciou com pompa um investimento de R$ 7 bilhões no Brasil de 2024 até 2028. Apesar de não confirmar quais produtos estão incluídos, as falas dos executivos indicam claramente o caminho: produção de motores híbridos flex no Brasil.

“Isso abrange a renovação completa do portfólio de veículos, desenvolvimento de tecnologias inovadoras e customizadas para o mercado local, além da criação de novos negócios. As fábricas também receberão evoluções que as tornarão ainda mais modernas, ágeis e sustentáveis”, disse a empresa em comunicado.

Leia mais

Esportes eletrônicos poderão receber fatia de arrecadação de loterias

Diferentemente do que ocorre com outras modalidades esportivas, os esportes eletrônicos (e-sports) não recebem parte do bolo da arrecadação das loterias federais. Projeto de lei do senador Izalci Lucas (PSDB-DF) pode mudar essa realidade. O PL 6.118/2023 inclui a Confederação Brasileira de Games e e-Sports (CBGE) no Sistema Nacional do Desporto e destina 0,04% do produto da arrecadação das loterias para o setor.

Atualmente seis comitês esportivos recebem recursos das loterias. É o caso, por exemplo, do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e do Comitê Paralímpico Brasileiro (CPB). Para Izalci Lucas, a medida vai ajudar a fomentar os esportes eletrônicos.

“A Confederação Brasileira de Games e e-Sports avocou a hercúlea missão de defender os interesses dos participantes de e-sports no Brasil. Para que possa continuar a desempenhar seu papel institucional, seria de grande importância de um singelo percentual da arrecadação da loteria de prognósticos numéricos, como já ocorre com outros comitês e confederações”, aponta o senador.

Leia mais

Impulsionando sonhos: Senac conecta mulheres para empreender

Clívia Fernandes é mãe de dois filhos e avó aos 36 anos. Desde a infância, sentia desejo de empreender. Um ímpeto que a despertara cedo. No entanto, outros pontos de sua vida se tornaram prioridade quando foi mãe aos 15. Com o nascimento do primeiro filho, se viu frente a necessidade de aproveitar qualquer oportunidade que pudesse lhe gerar alguma renda. Foi empregada doméstica por curtos períodos de tempo, tentou empreender com venda de alimentos e em seguida, começou a produzir bijuterias, artesanatos e crochês, revendeu cosméticos, mas os projetos se dispersaram pouco depois do início. Em 2023, no entanto, participou do “Senac Conectando Mulheres”, novo projeto de requalificação profissional, com foco no incentivo ao empreendedorismo feminino, o que mudou sua vida.

A iniciativa do Senac leva treinamentos para mulheres do interior do Rio Grande do Norte, uma das muitas ramificações do serviço de aprendizagem oferecido no Estado. E foi em uma das primeiras edições, no município de Senador Georgino Avelino, aproximadamente 57 km de Natal, que Clívia encontrou a oportunidade da sua vida que está ajudando a alçar vôos mais altos. “Eu sempre quis. Sempre tive dentro de mim que queria empreender, mas não tinha nenhum conhecimento. O curso foi uma virada de chave. Foi quando eu percebi que estava olhando para as pessoas erradas”, detalha.

Leia mais