Congresso alertou em 2008 para risco climático de enchentes extremas

Foto: Jefferson Bernardes/Getty Images

Um relatório do Congresso alertou há 16 anos para o risco de enchentes extremas no Brasil por causa do aquecimento global. O documento de 2008, que pediu que o Brasil se adaptasse com urgência às mudanças climáticas, tem trechos que contrastam com o desastre climático no Rio Grande do Sul dos últimos dias, que já deixou 107 mortos.

“A vulnerabilidade do Brasil manifesta-se sob diversos aspectos, como, por exemplo: aumento da frequência e intensidade de eventos climáticos extremos (enchentes e secas)”, afirmou o relatório final da Comissão Mista Especial sobre Mudanças Climáticas do Congresso, em junho de 2008. O documento de 253 páginas apontou ainda: “As chuvas estão ficando mais concentradas, no tempo e no espaço, corroborando o quadro atual de mais secas e enchentes intensas”.

Leia mais

Abril de 2024 foi o mais quente da história, diz observatório Copernicus

Foto: John Wessels/AFP

Dados do observatório Copernicus, da Agência Espacial Europeia, indicam que abril de 2024 teve as temperaturas mais elevadas para esse mês já registradas na série histórica. A média global foi de 15,03°C no período, ficando 0,14°C acima do máximo anterior, de 2016.

No mês passado, os termômetros ficaram 0,67°C além da média para abril entre 1991 e 2020. Em relação à estimativa para o período pré-industrial (1850-1900) —anterior aos maiores efeitos do aquecimento global—, a alta foi de 1,58°C.

Leia mais

Chuvas acima da média reduzem áreas de seca no RN; veja municípios ainda afetados

Foto: Hugo Andrade/Inter TV Cabugi

As chuvas acima da média ao longo do ano de 2023 e nos primeiros meses de 2024 causaram redução das áreas afetadas pelo fenômeno da seca no Rio Grande do Norte. Apenas 8 dos 167 municípios do estado estão classificados na categoria de seca fraca.

Isso é o que aponta o levantamento mais recente do Monitor de Secas, coordenado pela Agência Nacional de Águas e Saneamento Básico (ANA), referente ao mês de março de 2024.

Leia mais

Depois do El Niño intenso, La Niña deve trazer alívio momentâneo

La Niña é caracterizado por resfriamento das águas do Pacífico Equatorial — Foto: NOAA

Ondas de calor e chuvas intensas em regiões já castigadas serão atenuadas no Brasil, mas a seca pode piorar a situação em regiões como Pantanal. Tendência de aquecimento global não muda, alertam cientistas. Depois de uma temporada de superaquecimento, as águas do oceano Pacífico dão sinais de que vão ficar mais geladas que o normal. Quase sem interrupção, o fenômeno El Niño será substituído por seu oposto, La Niña, após uma temporada de temperaturas recordes e eventos extremos em todo o Brasil.

Leia mais

Brasil rumo à criação da maior transposição do mundo, uma solução contra a desertificação

No coração do Brasil, um país conhecido por sua diversidade e riqueza natural, surge um projeto ambicioso com o potencial de transformar o cenário de desertificação que ameaça vastas áreas do nordeste brasileiro. A maior transposição do mundo está tomando forma, com o Rio São Francisco como protagonista de uma jornada para revitalizar e sustentar a vida em regiões semiáridas, enfrentando um dos maiores desafios ambientais e sociais da nação.

A desertificação do Nordeste brasileiro, uma realidade alarmante, ameaça cerca de 12,85% do semiárido brasileiro, transformando terras outrora férteis em áreas desérticas inóspitas. Com cerca de 126.000 km² à beira da completa desertificação, a situação demanda uma resposta imediata e eficaz para preservar o ecossistema, a economia e a vida das comunidades locais.

O Rio São Francisco, uma das maiores bacias hidrográficas do Brasil e o quinto maior rio do país, emerge como a espinha dorsal deste projeto inédito. Nascendo em Minas Gerais e percorrendo aproximadamente 2.800 km até sua foz, entre Sergipe e Alagoas, o “Velho Chico” possui uma capacidade de armazenagem de água quase três vezes maior que a da Usina de Três Gargantas, na China, a maior usina hidroelétrica do mundo.

Leia mais

RN: previsão aponta para sol e pancadas de chuva isoladas nesta semana

Foto: Reprodução

A semana no Rio Grande do Norte deve ser marcada por tempo aberto pela manhã e chuvas isoladas na maior parte das regiões do Estado. Em Natal, a semana deve ser de sol e aumento de nuvens pela manhã, com possibilidade de pancadas de chuva à tarde.Já à noite, o tempo fica firme. A mínima prevista para a capital é de 23 ºC e a máxima pode chegar a 31 ºC. As informações meteorológicas são do Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet).

Na região do Seridó, Currais Novos pode chegar a atingir a máxima de 36 ºC, com tempo marcado por sol e possibilidade de chuvas isoladas e período nublado à tarde, enquanto à noite o céu fica encoberto de nuvens. A mínima prevista é de 21 ºC.

Leia mais