Search
Close this search box.

Quem é Júlia Carthemol, psicóloga presa por suspeita de matar o namorado com brigadeirão envenenado

Júlia Andrade Carthemol, 29 anos, presa por suspeita de matar o empresário Luiz Marcelo Antônio Ormond, com um brigadeirão envenenado, é psicóloga e inscrita no Conselho Nacional de Psicologia desde agosto de 2021.

Segundo a polícia, ela já trabalhou fazendo atendimento psicológico, mas atualmente não estava exercendo a profissão.
“Ela me falou que já clinicou um dia. Mas, hoje, segundo ela, não mais. Mas, ela já atuou na área sim”, explicou o delegado Marcos Buss, da 25ª DP (Engenho Novo), que investiga a morte do empresário.

Entre 2013 e 2017, Júlia manteve um relacionamento “casual” com Luiz Marcelo. Há 2 meses, tornaram a se ver, e desta vez o empresário cogitou engatar um namoro mais firme, mas desistiu — e esse recuo teria levado Júlia a decidir matá-lo. A motivação para o crime, segundo a polícia, foi econômica.

Além de Luiz Marcelo, Júlia namorava o advogado Jean Cavalcante de Azevedo há 2 anos e meio.

No início de abril, ela disse para Jean que iria trabalhar como babá na casa de uma amiga na Região dos Lagos. Segundo a polícia, as fotos que ela mandou para Jean são dos filhos de Suayny Breschak, que se apresenta como cigana.

Em abril, Júlia foi morar no apartamento de Luiz Marcelo, no Engenho Novo, onde o corpo dele foi encontrado no dia 20 de maio. Logo depois da chegada dela, ele mudou o status em rede social para “casado”.

A mãe de Júlia, Carla Cathermol, mora em Maricá, na Região dos Lagos, com o padrasto, Marino Bastos Leandro. Segundo a polícia, o pai de Júlia não tinha muito contato com ela, mas até hoje paga pensão mensal de R$ 2 mil para a filha.

Há 11 anos Suyany, atuava como mentora espiritual de Júlia. Em depoimento, Suyany disse que Júlia chegou a acumular uma dívida de R$ 600 mil com ela referentes a trabalhos de limpeza espiritual, mas que atualmente o valor da dívida era de R$ 400 mil.

Suyany contou ainda que Júlia contratava seus trabalhos para que familiares e namorados não descobrissem que ela era garota de programa.

Ela foi presa na noite do dia 28 de maio, em Cabo Frio, na Região dos Lagos. Para a polícia, Suyany foi a mandante do “crime do brigadeirão”.

“Podemos falar com bastante segurança que há elementos nos autos, muitos elementos indicativos, de que a Suyany seria a mandante e arquiteta desse plano criminoso”, afirmou o delegado.

“A Júlia tinha uma grande admiração, uma verdadeira veneração pela Suyany”, destacou.

Suyany Breschak e Júlia Cathermol — Foto: Reprodução/TV Globo

g1

Construções Recreio