Turistas encontram câmera escondida virada para cama em quarto de resort em Porto de Galinhas

A Polícia Civil está investigando a instalação de uma câmera de vídeo em frente à cama de um flat no OKA Beach Residence, um resort que funciona na praia de Muro Alto, em Porto de Galinhas, no município de Ipojuca, no Grande Recife. O equipamento foi encontrado por um casal de turistas de São Paulo que se hospedou no imóvel entre os dias 13 e 17 deste mês.

Em entrevista ao g1, o advogado do casal, Roque Henrique Campos, disse que os turistas estavam viajando com duas amigas. Eles pediram para não ser identificados, por medo da exposição. O grupo se hospedou em dois flats diferentes do resort.

Leia mais

Policial rodoviário federal é preso com 326 tijolos de cocaína e crack

Um policial rodoviário federal foi preso em flagrante na Rodovia SP-270, no município de Assis, interior de São Paulo, transportando 326 tijolos de cocaína e crack em um compartimento escondido do carro. O policial estava em companhia de outro homem. A abordagem foi feita pela Polícia Militar (PM) na terça-feira (16).

De acordo com a Secretaria de Segurança Pública de São Paulo (SSP-SP), os PMs estavam em patrulhamento na rodovia quando viram um caminhão guincho carregado com um carro. Os dois suspeitos estavam dentro do carro e tentaram se abaixar ao avistar a viatura.

O policial rodoviário federal preso e o outro homem informaram que o carro estava quebrado e, por isso, pediram o guincho. Ao fazer a vistoria no carro, os policiais notaram que havia um compartimento estranho no assoalho do carro.

Leia mais

Após um mês, morte de potiguar no Paraná ainda não foi elucidada

A atuação da Polícia Civil do Paraná no caso do potiguar Kauet Henrique Nascimento, morto na cidade de Foz do Iguaçu, chega a um mês nesta quarta-feira (6), com investigação em andamento na busca pelos suspeitos de participarem no crime. O delegado Rodrigo Silva de Souza, responsável pelo caso, adiantou que o “líder” do grupo criminoso foi identificado e que outros envolvidos estão sendo investigados. Até o momento, nenhuma pessoa foi presa pela morte do jovem de 20 anos, que saiu de Natal com destino final ao Paraguai, onde compraria celulares para revenda no Rio Grande do Norte.

“Nós já identificamos pelo menos um, que seria o gestor de toda a empreitada criminosa, seria o líder desse grupo criminoso que estamos investigando. Agora as investigações vão prosseguir para tentar localizá-lo. É uma investigação complexa porque o fato ocorreu num cidade, Foz do Iguaçu, a vítima é de Natal e os outros envolvidos, ao que parece, não tem nenhuma vinculação nem com a cidade da vítima nem com a cidade onde ocorreu a morte”, detalhou o delegado.

Ele também disse que os laudos periciais sobre a morte do jovem foram recebidos pela delegacia nesta semana, confirmando que a causa da morte foi asfixia por estrangulamento. Com o “líder” do grupo criminoso identificado, o delegando afirmou que os próximos passos são cruzar informações para tentar identificar outros suspeitos e também localizá-los.

Leia mais

Operação conjunta resgata 532 trabalhadores em condição de escravidão

Ações de fiscalização realizadas em agosto de 2023 em todo o país resultaram no resgate de 532 trabalhadores em condições análogas à escravidão. A Operação Resgate III é uma ação conjunta de combate ao trabalho análogo à escravidão, resultado de parceria entre seis órgãos: Polícia Federal (PF), Defensoria Pública da União (DPU), Ministério Público do Trabalho (MPT), Ministério Público Federal (MPF), Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) e Polícia Rodoviária Federal (PRF).

Os estados com mais pessoas resgatadas foram Minas Gerais (204), Goiás (126), São Paulo (54), Piauí (42) e Maranhão (42). Na área rural, as atividades com maior número de vítimas foram o cultivo de café, de alho, batata e cebola. Na área urbana, os maiores resgates foram em restaurantes, oficinas de costura, construção civil e trabalho doméstico.

Leia mais

Marcola gastou ‘poupança’ de R$ 60 milhões para bancar próprio resgate

Marco Willians Herbas Machado, o Marcola, enviou R$ 60 milhões para integrantes do PCC nas ruas executarem o resgate dele na prisão. Segundo o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, o plano é financiado pelos irmãos Camacho — não pelos cofres da organização. E continua em curso.

O que aconteceu

Marcola e o irmão Alejandro Juvenal Herbas Camacho Júnior liberaram R$ 60 milhões para que integrantes da facção nas ruas providenciassem o resgate do líder do PCC. Marcola está preso no presídio federal de Brasília.

Leia mais

Namorado matou vereadora de Juazeiro do Norte (CE) e depois se suicidou, conclui perícia

A vereadora de Juazeiro do Norte (a 492 km de Fortaleza) Yanny Brena Alencar, 26, foi vítima de feminicídio pelo namorado Rickson Pinto, 27, que se suicidou em seguida. É o que apontam os laudos da Pefoce (Perícia Forense do Estado do Ceará) divulgados nesta quarta-feira (22) pela Secretaria da Segurança Pública e Defesa Social.

O casal foi encontrado morto no último dia 3 de março na casa onde morava no bairro Lagoa Seca. A causa das mortes foi asfixia, segundo os exames feitos nos corpos.

O caso é investigado pela Delegacia de Defesa da Mulher de Juazeiro do Norte. Os detalhes sobre as circunstâncias das mortes serão apresentados pela Polícia Civil nesta quinta-feira (23).

Leia mais

PCC alugou casas e escritórios próximos aos endereços de Sergio Moro, informou a PF

Em uma megaoperação deflagrada na manhã desta quarta-feira, a Polícia Federal foi às ruas para prender membros do Primeiro Comando da Capital (PCC), uma das maiores facções criminosas do país. Segundo as investigações, os criminosos pretendiam sequestrar e matar o senador Sergio Moro (União Brasil) e o promotor de Justiça Lincoln Gakiya, do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado de São Paulo (Gaeco).

A facção criminosa estaria planejando uma série de atentados contra autoridades, como retaliação à portaria do governo que proibia visitas íntimas em presídios federais. De acordo com a polícia, os planos estariam em andamento desde o ano passado.

Os alvos escolhidos teriam alugado chácaras, casas e até um escritório próximo aos endereços de Sergio Moro. A família do senador também teria sido monitorada pela facção criminosa por meses, segundo as investigações.

Leia mais