Search
Close this search box.

Caso Gabriel: Júri popular de policiais acusados da morte de jovem de 18 anos começa na Grande Natal

Fórum em Parnamirim (RN): Tabelião Otávio Gomes de Castro — Foto: Sérgio Henrique Santos/Inter TV Cabugi

Começou nesta terça-feira (2) o júri popular dos quatro policiais militares acusados ​​da morte do jovem Giovanni Gabriel de Souza Gomes, ocorrida em junho de 2020. Inicialmente marcado para o mês passado, o julgamento precisou ser adiado por falta de consenso quanto aos jurados naquela altura.

Giovanni Gabriel foi morto aos 18 anos de idade, quando sumiu após ter saído para a casa da namorada, em Parnamirim. O corpo dele foi encontrado em São José de Mipibu, também na Grande Natal. A história ficou conhecida como “Caso Gabriel”.

📳Participe do canal do g1 RN no WhatsApp

O julgamento acontece na 1ª Vara Criminal da Comarca de Parnamirim. De acordo com as investigações da Polícia Civil, o jovem teria sido assassinado após ser confundido com um assaltante de carro. Os policiais militares são acusados do crime de homicídio qualificado. Atualmente, eles respondem em liberdade.

A expectativa é de que o julgamento dure pelo menos três. São, ao todo, sete jurados – cinco homens e duas mulheres.

“Passa mil e uma coisas. Eu estou nessa luta há quatro anos. Pra mim é um massacre, eu não vejo a hora que isso acabe”, disse a mãe do jovem, Priscilla Souza. “Se a Justiça investigou e trouxe nomes, que responsabilize”, completou.

Advogada de defesa de três dos quatro policiais acusados, Juliana Maranhão disse que eles são inocentes e que as provas que constam nos autos não os ligam a nenhum crime.

“Quando eles falam em provas, primeiro que elas não são provas realmente convictas e, segundo, que elas não são provas que conectam diretamente aos acusados. Que seja feita a Justiça. E a Justiça é que eles sejam inocentados”, disse.

Em março, o juiz da 15ª Vara Criminal de Natal absolveu os militares das acusações de sequestro e ocultação de cadáver.

“Apesar da acusação grave que paira sobre os acusados, mais precisamente a prática do crime de sequestro e ocultação de cadáver, não vislumbrei prova suficiente que possa me convencer de que foram os mesmos que praticaram tais crimes”, disse na sentença.

LEIA TAMBÉM

Gabriel deixou a casa onde vivia com a mãe, a irmã e o padrasto, no bairro Guarapes, na manhã do dia 5 de junho de 2020 para ir de bicicleta à casa da namorada em Parnamirim, na Grande Natal.

Ele fazia o trajeto em cerca de uma hora, mas sumiu antes de chegar ao destino. A namorada de Gabriel ligou preocupada para a mãe dele. Desde então o jovem não foi mais visto.

Familiares e amigos iniciaram a busca por Gabriel e chegaram a encontrar as sandálias e a bicicleta dele em uma área de vegetação em Parnamirim.

O corpo foi encontrado no dia 14 de junho de 2020 com perfurações no crânio, provavelmente provocadas por arma de fogo, e com braceletes de plástico presos nos pulsos, de acordo com a perícia do Instituto Técnico-Científico de Perícia (Itep).

As investigações apontaram que, após o roubo de um carro em Parnamirim, a PM foi acionada para tentar recuperar o veículo. O dono do carro é irmão de um dos policiais militares suspeitos. Esse PM acionou os colegas para darem apoio na recuperação do veículo, que possuía rastreador.

Diversos policiais foram contatados para atender a ocorrência e se deslocaram até a região onde apontava o GPS. Ao longo das buscas, uma guarnição da Polícia Militar chegou ao local onde o veículo estava, presenciando o momento no qual os criminosos estavam retirando os pertences do veículo.

Os suspeitos do roubo, ao visualizarem a viatura, fugiram pela região de mata. Os policiais deram continuidade às buscas, ingressando na mata.

No local, alguns policiais militares abordaram o jovem Gabriel e se certificaram da história dele. Após alguns momentos de detenção, eles liberaram o jovem. Ao sair da região de mata, Gabriel foi visto por populares que avisaram a uma outra viatura que também realizava as buscas no local.

Nessa viatura, estavam os três cabos presos, que haviam sido acionados pelo sargento. De acordo com a Polícia Civil, os militares então abordaram o jovem Gabriel, que chegou a informar aos policiais que já havia sido liberado pela outra viatura. Mesmo assim, o jovem foi colocado na mala do veículo, sendo este o último momento em que foi visto com vida.

As investigações apontam que os três policiais executaram a vítima e se deslocaram até o município de São José do Mipibu, onde deixaram o corpo, que foi encontrado no dia 14 de junho de 2020, em uma região de mata na comunidade Pau Brasil, a 30 km de Natal e a 20 km de Parnamirim.

De acordo com as investigações, os três cabos que estavam na viatura, desde o momento que abordaram o jovem Gabriel, mantiveram um estreito processo de comunicação com o sargento, irmão da vítima do crime de roubo em Parnamirim.

g1 RN

Construções Recreio